Segurança na Aquisição de Franquia

Franquia segura

Uma dose de pessimismo pode ajudar a evitar erros na aquisição de franquia

Franquia segura – Uma dose de pessimismo pode ajudar a evitar erros na aquisição de franquia

Franquia segura – “O sucesso é uma combinação muito estranha de otimismo e pessimismo”

A  frase é do professor de gestão de empresas da Universidade de Stanford, Bob Sutton. Ele usou o termo “preocupado feliz” para definir o perfil de pessoas com mais potencial para planejar e fazer um negócio prosperar. Atitude equilibrada é importante também quando se trata de adquirir uma franquia. O empreendedor precisa ter em mente quais atitudes podem colocar o negócio a perder e como evitá-las. As mais comuns são:

Empolgar-se em demasia


Dinheiro no bolso, uma oportunidade imperdível nas mãos e uma pitada de ansiedade. Essa combinação pode fazer um negócio promissor virar pesadelo em poucos meses. Acontece com certa frequência no mercado, mas não deveria, especialmente quando se trata de franquia.

Diferente de outros tipos de investimento, o interessado em determinada marca tem a vantagem de conhecer as principais informações sobre o negócio antes de bater o martelo. Basta exigir da franqueadora a Circular de Ofertas de Franquias (COF) e checar os dados ali informados. Outra vantagem é poder ouvir a experiências de outros empresários da rede, do mais novo ao mais antigo, e até mesmo dos que já se desligaram dela.

Pensar mais no lucro que na afinidade

Franquias da moda são tentadoras, mas se o empresário não tiver afinidade com o negócio nem com o produto ou serviço oferecido por elas, o sonho de ter um negócio pode tornar-se frustração.

De acordo com orientação do Sebrae, a primeira pergunta que o investidor deve fazer a si mesmo antes de pensar em adquirir uma franquia é se ele tem o perfil para assumir as atribuições que cabem ao franqueado, como: gerir pessoas, zelar pela contabilidade, calcular e correr riscos, estar aberto a decepções, tomar decisões gerenciais, estar presente no dia a dia da operação e abrir mão de finais de semana ou fazer longas jornadas de trabalho. O filtro seguinte é escolher um segmento com o qual o empresário tenha afinidade. Para facilitar a escolha, algumas franquias permitem fazer um test-drive da experiência.

Dar pouca atenção aos instrumentos jurídicos

Conhecer os aspectos legais do sistema de franquia pode ser rápido (são apenas duas páginas de texto), simples e evitar problemas futuros. Apesar de essencial, esse conhecimento não dispensa a orientação de um advogado especializado no segmento de franquias para validar o contrato. Informações como taxas de royalties, fundo de propaganda, seguros e demais cobranças devem estar explicitas.

É preciso também que o investidor esteja atento a outros aspectos jurídicos, como o prazo de contrato de franquias (deve ser maior do que o tempo de retorno do negócio),  saber o que fazer caso os fornecedores homologados pela rede não atendam a região dele e checar se as estimativas de investimento constam na COF.

Fazer empréstimo sem levar em conta todas as variáveis

Para o investidor que vai recorrer ao empréstimo, a orientação é simular um cenário pessimista com a despesa de financiamento e verificar se ainda assim ele continua rentável. De acordo com orientação do sócio-fundador da consultoria Goakira, Diego Simioni, “deve-se levar em conta a simulação financeira do franqueado e o impacto das parcelas na geração de caixa. Diversos fatores, como cenário econômico ou concorrentes próximos à franquia, podem afetar um negócio”.

Segundo o consultor, uma boa saída é negociar carência para começar a pagar as parcelas, isso para reduzir os riscos durante os meses iniciais, geralmente os mais difíceis para a franquia. Outra dica é financiar um pouco mais que o necessário, de modo que sobre dinheiro para eventualidades.  Entretanto, Simioni alerta que o financiamento não deve ultrapassar 30% do investimento inicial. “Esse percentual é utilizado como nível de segurança de endividamento. Quanto maior o valor financiado, maior o impacto no crescimento da franquia”, diz.

Algumas franqueadoras têm parcerias com bancos. Dependendo da força e credibilidade da marca, os novos franqueados são beneficiados com linhas de crédito mais vantajosas, melhores condições de carência para início do pagamento, juros menores e prazo maior de parcelamento.

Maria Luiza Brufatto
Maria Luiza Brufatto
Palestrante, Especialista em gestão de vendas, com forte atuação no comercial de empresas nas áreas de Varejo, Arquitetura e Construção Civil, Indústria, Atacado e Franchising.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CANSADO DE CONTEÚDOS SUPERFICIAIS?

Receba conteúdos e materiais REALMENTE ÚTEIS sobre franquias

Fique tranquilo, não faremos SPAM e nem venderemos seu email.